segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

 Não sei fatiar o tempo em trezentos e sessenta e cinco dias, como um bolo, para que se possa pegar com formalidade e engolir contado, o meu dia não tem vinte e quatro hora, e meu ano é infinito, sou alheio a essa medida que circunscreve os seres humanos e o seu pensamento.
Sou um ser livre e pago caro a minha liberdade.







Postar um comentário